Site para Médicos

Como deve ser um bom site médico?

Com o surgimento e desenvolvimento gradativo das novas tecnologias, os médicos e demais profissionais da área da saúde também devem saber utilizar a internet ao seu favor e por isso pensar em ter seu próprio site para médicos é essencial.

Se você também atua na área, deve saber que manter uma postura de caráter proativa na internet com cuidado é fundamental para que a sua exposição seja sem riscos à sua reputação como profissional ou imagem pessoal.

Como deve ser a presença do médico na internet?

site para médicosUm profissional da área de comunicação, por sua vez, especializado em saúde, sabe o que deve ser feito com uma grande demanda de vídeos online ou mapas epidemiológicos virtuais. Além disso, o aplicativo Second Life ajuda na própria compreensão da importância da participação deste profissional em comunidades e/ou fóruns virtuais.

O comunicador que atua neste segmento também consegue compreender com maior complexidade o comportamento dos consumidores, que neste sentido, são os pacientes. Suas dúvidas e questionamentos, geralmente explícitas pelas redes sociais e/ou blogs são analisadas e posteriormente respondidas com maior cautela.

Cabe aqui ressaltar que, para a comunicação, as funcionalidades da web 2.0 estão se desenvolvendo aos poucos. E é neste sentido que o número é baixíssimo de profissionais (e até mesmo de ‘clientes’) da área de saúde que sabem posicionar-se na internet, apostando em estratégias verdadeiramente eficientes de marketing digital e comunicação como um todo, ou seja, ações que vão além da criação de um simples site para médicos.

Pois é: nem mesmo os blogs, que surgiram como alternativas para que profissionais de diferentes áreas pudessem expor maiores informações sobre a mesma, são utilizados como ferramentas de comunicação pelos médicos. Isso seria capaz de possibilitar a interação entre pacientes e profissionais da área de saúde com maior eficácia, devido à linguagem de caráter informal utilizada para a exposição de assuntos sérios.

Como deve ser um bom site para médicos?

site para médicosCom a introdução fica evidente o fato de que todo profissional começa na internet com um site para médico. A partir de então, essa ferramenta puxa outra e assim por diante, até que o profissional já esteja pronto para se jogar em um universo de estratégias de marketing digital – tais como blogs, alimentação de redes sociais, ações de SEO e assim por diante.

O primeiro passo para o desenvolvimento de um bom site para médico é saber diferenciar a criação de uma página profissional de uma página pessoal. Um site extremamente pessoal não é capaz de agregar valor ao trabalho do profissional de saúde, motivo pelo qual não deve ser nem considerado. Neste sentido, cabe afirmar que o site para médicos precisa ser especializado em sua área de atuação, o que ajudará a consolidá-lo como uma referência na mesma.

E para que o site realmente consiga alcançar o seu objetivo comercial, uma de suas principais características deve ser a transparência. Isso significa que o objetivo da página deve estar explícito para que todos o compreendam: o site tem função de informar, ou seja, de conscientizar a prevenção e educar? Ou ele tem fins comerciais, o que possibilita a venda de espaços publicitários, serviços, produtos, assessoria ou atenção médica personalizada? Pois é: essa decisão é uma das primeiras que devem ser pensadas para a criação de um site médico.

Além disso, se o site para médicos tem mantenedores ou patrocinadores, eles devem ser apresentados – de modo direto ou indireto – nas páginas do site.

O médico que deseja um site repleto de visualizações precisa fazer com que ele se torne uma referência naquela especialidade médica. Para tal, é necessário criar conteúdo exclusivo e de qualidade, em páginas de simples interface, e é claro, apostando em um design bacana e responsivo.

Além disso, cabe destacar que um site médico deve trabalhar não só com a construção da reputação e da imagem do profissional de saúde na internet. Isso porque essa página também servirá de encontro entre ele e novos pacientes, que talvez nem sequer o conhecessem caso não fosse o site.

Sites com informações banais, visualmente pobres, com cores que doem os olhos e má administração não são admissíveis para esses profissionais. Em um site como esse, o paciente é praticamente obrigado a parar de navegar antes mesmo de chegar à página de contato, onde poderia enviar um e-mail ou telefonar para o profissional. Por isso, lembre-se: um site mal feito terá retorno contrário do que o esperado, o que pode prejudicar não só os seus negócios como a sua própria imagem na internet.

Cabe aqui uma dica: não se apegue à facilidade tecnológica, que permite que os sites sejam criados de modo cada vez mais simples. Não disponibilize informações na área de saúde que já estão na internet, mas pelo contrário: crie o seu próprio conteúdo, com base em seu conhecimento científico, e veja o número de visualizações (e de negócios) aumentarem gradativamente.

Informações devem ser educativas

img-criacao-sitesAs informações que são veiculadas em sites médicos devem ser em majoritariamente educativas – visando não só o esclarecimento como a própria prevenção de enfermidades e doenças no geral.

Isso porque o usuário da internet, ou melhor, o paciente, confiará mais em informações médicas do que naquelas oferecidas em sites de conhecimentos gerais. Por isso, é um direito do seu paciente buscar e encontrar informações íntegras, responsáveis, transparentes, éticas e é claro, honestas.

Cabe destacar inclusive que, o médico que usar a internet unicamente como veículo de autopromoção, ou seja, para a divulgação de seus serviços – sem assumir a responsabilidade educacional deste veículo – pode acabar sendo punido pelo Conselho Regional de Medicina (CRM) que estiver inscrito.

Sendo assim, é proibido:

  • Oferecer incríveis descontos ou promoções para a realização de consultas, exames, cirurgias e outros;
  • Realizar propaganda de determinados medicamentos, produtos, equipamentos e/ou outros em troca de qualquer tipo de benefício econômico por parte da indústria farmacêutica ou outras empresas;
  • Solicitar exclusividade de seus pacientes para a realização de procedimentos terapêuticos, realização de diagnósticos e assim por diante.

Além disso, outras infrações éticas graves na área médica é estimular, por meio do seu site, o sensacionalismo – como divulgando práticas experimentais e/ou alternativas para a cura de doenças, divulgando médicos ineficazes, prometendo a cura de enfermidades pelas quais a medicina ainda não oferece recursos e outras falsas promessas neste sentido.

Transmissão em tempo real de cirurgias para aumentar a visualização do site também é uma prática ilegal, ou seja, uma daquelas que você não pode realizar. A regra só não se aplica para a telemedicina, uma vez que ela é voltada com exclusividade para a atualização dos médicos por meio de videoconferências. Tome cuidado também com a exposição de imagens, fotos, informações ou demais materiais de pacientes.

Por fim, conclui-se que um site para médicos não deve ser utilizado para qualquer tipo de prática ilegal. Isso porque a internet não pode ser vista como uma ferramenta para a realização de consultas, para possíveis diagnósticos clínicos, tratamentos à distância ou prescrição de medicamentos. Uma consulta séria exige avaliação do estado tanto físico como mental do paciente, além de diálogo e aconselhamento – coisas que, felizmente, só podem ser realizadas olho a olho.

Sendo assim, você, profissional da área da saúde, lembre-se de manter os seus pacientes sempre informados sobre a necessidade de marcar uma consulta para avaliação pessoal antes de qualquer “achismo”, o que fará com que a sua confiança e credibilidade também sejam positivadas aos poucos.

Veja no vídeo abaixo como criar um site médico profissional

play